12 de junho de 2012

Ondas















Este mar
que avança, submerge
e leva suas águas
ao sabor do vento,

é feito das lágrimas
de uma mulher só
que lava suas mágoas
de um outro tempo.

18 comentários:

  1. A poesia! Esta forma manifesta de linguagem através da qual sempre se chega ao outro. As metáforas, por mais que se diga o contrário, revelam mais do que escondem no corpo que finge que não se entrega, mas sempre se atira ao mar. Este mar que "lava as mágoas de um outro tempo" ainda a levará a um porto feliz...
    Forte abraço,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assim eu espero, meu amigo. Obrigada.

      Excluir
  2. Lidi!

    Sua poesia me agrada cada vez mais. Nesta, que acabo de ler, há a musicalidade da poesia genuína.
    Meus cumprimentos pelo belo escrito.

    Abraços.
    Clarissa Macedo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Clarissa, saiba que fiquei muito feliz por você ter gostado do poema. E mais contente ainda em ouvir - lá no Bistrô Caffé - você falar com sua amiga sobre os meus versos e sentir a sinceridade de tuas palavras. Obrigada. Bjs

      Excluir
  3. Oi, Lidi, desejo que as águas desse mar sejam renovadas, e que Iemanjá lhe traga muito, mas muito amor. Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém, Aero. Obrigada pela torcida. Bjs

      Excluir
  4. Oi, amiga, o mar que lava as mágoas é também o portador de boas novas. Que venham para ti, para nós!! Saudades! Sol

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, amiga que adoro. Saudades.

      Excluir
  5. Doem as lágrimas, mas nos moldam como se tivessem, nas mãos, terra.
    Bonito poema.
    Beijoss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Bípede. Gosto muito dos seus comentários. Bjs

      Excluir
  6. Porque a dor pode ser tão bela?! Ela deveria ser bem feia! Como uma velha carrancuda, com cara de má e de bruxa...rs. Mas, a vejo aqui com uma infinita beleza, brotando de uma jovem igualmente bela. O que posso concluir é que a dor é privilégio dos sensíveis Lidi. Ela ainda é um resquício de que humanos somos e tão frágeis ao ponto de transcrevê-la assim...num poema. Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sandra, que bom que você enxergou beleza em meu escrito. Fiquei feliz. Você é uma pessoa generosa, sempre deixando aqui as suas palavras cheias de sensibilidade e carinho. Obrigada.

      Excluir
  7. Lidi, querida, como diz a letra daquela canção: "love hurts, oh, oh love hurts". Mas estamos sempre buscando-o, não é mesmo? Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, amiga, o amor machuca, mas a dor é maior sem ele. Bjs

      Excluir
  8. Lidi,

    Como sei que você gostou do Meia-noite em Paris. A pré-estreia de Para Roma, com Amor, de Woody Allen foi no dia 23 de junho. Eu fui. Bonito o filme. A estreia nacional será no próximo dia 29.
    Espero que você possa vê-lo tão logo entre em cartaz. A minha certeza de que gostar deste também é que me fez postar esta mensagem.
    Abraço forte,
    José Carlos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. José Carlos, gosto muito dos filmes de Woody Allen e tenho certeza de que irei gostar deste. Ainda mais sendo uma indicação sua. Obrigada. Ótima semana. E um forte abraço.

      Excluir
  9. Lidi é sempre esse ser que muito conhecemos, e achamos que conhecemos, quando muito nos surpreende de novo com palavras tão certeiras como esta. Saudade de você... um xero enviado desta noite fria de sampa. Nilson

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oh, Nilson, como é bom encontrar as suas palavras aqui no Deslocamentos. Não suma. Saudades de você. Bjs

      Excluir