15 de agosto de 2010

Lendo a antologia, organizada por Assis Brasil, A poesia baiana do século XX, deparei-me com os versos abaixo, da itabunense Valdelice Pinheiro Soares, falecida em 1993. Sem dúvida, um poema que eu gostaria de ter escrito. 














RABISCOS

Deixo que a mão vá
como se fosse asa
e traga do silêncio
de mim
o riso,
ou a palavra
que eu não digo,
ou a música
que eu não faço.
Deixo que a mão vá
e busque
na solidão
de onde não me sei,
o risco que me traça
o grito,
a linha que me traz
a voz.
Deixo que a mão vá e,
como se fosse um deus
fiando luz,
me crie
de meu nada.

7 comentários:

  1. Realmente um belo poema Lidi. Um rabisco e tanto!

    ResponderExcluir
  2. Queria ter mãos para rabiscar assim. Bela escolha.

    ResponderExcluir
  3. Um poema de idilica prece.Lidi conocrdo com vc. também desejaria ter escrito algo assim.

    ResponderExcluir
  4. A mais pura verdade: eu também queria ter escrito!

    Beijo

    ResponderExcluir
  5. Linda escolha Lidiane!Parabéns!

    ResponderExcluir
  6. Poxa! muito interessante. Um belo rabisco. PARABÉNS!!

    ResponderExcluir